Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro 29, 2013

TUDO ESTÁ FICANDO PARA O SEGUNDO MANDATO... ASSIM ELES ACHAM...ESTÁ DEIXANDO PARA O SEGUNDO MANDATO.

REPÓRTER. RUBENN DEAN PAUL ALWS MAT.ABR.2014/0143 DRT.33.689-1RJ Dilma aprovou menos emendas que Lula e FHCO SLOG DO GOVERNO. OS BRASILEIRINHOS QUE TIRARAM OS POLÍTICOS DA MISÉRIA.
A presidente Dilma Rousseff adotou como estratégia legislativa em seu governo a menor dependência possível da sua base aliada no Congresso Nacional. Ela deve terminar seu mandato como a mandatária que menos utilizou da maioria qualificada para aprovar grandes reformas constitucionais. Desde que assumiu seu governo, foram aprovadas no Legislativo nove emendas constitucionais, número que não deve se alterar neste ano tendo em vista não haver nenhuma expectativa de que alguma outra seja apreciada até o final deste ano. O número é menor do que os antecessores. Em cada mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), foram 14 emendas. Outras 35 foram chanceladas pelos congressistas na gestão de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), sendo 16 no primeiro mandato e 19 no segundo. A aprovação de uma emenda constitu…

Especialistas da Secretaria de Estado de Saúde alertam para os riscos do manuseio de fogos de artifícios e bombinhas nesse período.

REPÓRTER.RUBENN DEAN MAT.ABR.2014/0143 DRT.33.689-1RJ
Número de queimados sobe quase 200% durante o Rèveillon
Especialistas da Secretaria de Estado de Saúde alertam para os riscos do manuseio de fogos de artifícios e bombinhas nesse período

Os fogos de artifícios são uma das estrelas principais das festas de Ano Novo, colorindo o céu e atraindo a atenção de adultos e crianças. Porém, todo cuidado é pouco para que a alegria das confraternizações não termine antes da hora. De acordo com levantamento da Secretaria de Estado de Saúde, o mês de dezembro, por conta do Réveillon, é o período do ano com maior número de casos de queimados. Só em 2012, o fluxo para esse tipo de atendimento nas unidades de saúde foi de 463 pessoas nessa época, sendo 185% superior que nos meses anteriores. A maior parte delas provocadas por fogos de artifícios e bombinhas.
O cirurgião plástico Bruno Alves Costa, especialista no tratamento de queimados no Hospital Estadual Alberto Torres, alerta para alguns cuidados q…

Guerra psicológica' inibe investimentos.

REPÓRTER. RUBENN DEAN AMT.ABR.2014/0143 DRT.33.689-1RJ
Dilma diz que 'guerra psicológica' inibe investimentos
Na mensagem de fim de ano em cadeia de rádio e TV, a presidente Dilma Rousseff criticou “alguns setores” que fazem “guerra psicológica” e podem “inibir investimentos”. Aproveitou para listar medidas de seu governo após as manifestações de junho e fez um apelo aos jovens para que comparem o Brasil de hoje com o do passado. “Se alguns setores, seja por que motivo for, instilarem desconfiança, especialmente desconfiança injustificada, isso é muito ruim. A guerra psicológica pode inibir investimentos e retardar iniciativas”, disse a presidente, na fala de 11 minutos. No discurso, Dilma assegurou o compromisso com a manutenção do equilíbrio das contas públicas e do controle da inflação, os pontos de fragilidade da gestão da política econômica. A deterioração das contas públicas ao longo do ano foi um dos principais problemas que minaram a confiança dos investidores. A infl…

A um passo de acabar com a pobreza absoluta.

REPÓRTER RUBENN DEAN MAT.ABR.2014/0143 DRT.33.689-1RJ
Dilma afirma que Brasil está "a um passo de acabar com a pobreza absoluta" A presidente Dilma Rousseff, afirmou neste domingo em um pronunciamento oficial que seu governo está "a um passo" de acabar com a pobreza absoluta no país. "Estamos a um passo de acabar com a pobreza absoluta em todo território nacional", disse Dilma em pronunciamento de fim de ano à nação, retransmitido obrigatoriamente em rádio e televisão para todo o país. A chefe de Estado disse que, com esse objetivo, seu governo "reforçou" o programa de transferência de renda Brasil Sem Miséria, que atualmente atende cerca de 50 milhões de pessoas que vivem abaixo da linha de pobreza. O governo federal considera que uma pessoa vive na miséria absoluta quando ganha menos de R$ 70 por mês. Para a presidente o Brasil "tem motivos" para esperar um 2014 "melhor" que este ano, e ressaltou que a crise "não foi …